Quem é Lima Barreto pra nós?

Quem é Lima Barreto pra nós?

Lima Barreto é um poço maravilhoso de ambiguidade, atualidade e invisibilidade. Tudo num mix extremamente brasileiro e riquíssimo.

 

Bem, com a proximidade da famigerada FLIP, que tem como homenageado Lima Barreto esse ano, eu comecei a estudar um pouco da obra dele num curso que faço de dramaturgia. A única coisa que tinha lido dele tinha sido Triste Fim de Policarpo Quaresma por motivos escolares. Não estudamos o contexto de vida dele, nem o drama, só a história mesmo, porque, né… tem que acertar umas perguntas sobre o enredo no vestibular. E já está de bom tamanho.

Aí, nesse curso, achamos que seria interessante tentar conhecer mais sobre a relação que Lima tinha com o teatro (isso se tinha de qualquer forma) e começamos a ler o conto mais conhecido: O homem que sabia javanês. Pegamos depois a coletânea de contos, as coletâneas de crônicas (porque como esse homem escreveu! :O e estou bem ansiosa pra dar uma lida na biografia que vai sair pela Cia das Letras, OI, CIA DAS LETRAS! TE PASSO MEU ENDEREÇO SE QUISEREM!). Logo de cara quando você lê as coletâneas vê algumas contradições.

Na primeira, dizem que ele escrevia errado; aí, em outra análise dizem que na verdade o problema era do processo de edição, editores não revisavam e cometiam erros estrondosos; ou que a letra de Lima era uma tragédia e isso ocasionava em erros também…

Uma pessoa que tinha uma biblioteca enorme, sabia vários idiomas, deixou catalogado tudo que não conseguiu publicar, guardou várias de suas publicações e ainda mapeou os erros e onde haviam impresso de forma errônea… não me parece escrever tão errado assim.

É interessante como Lima Barreto é um retrato de uma época de transição, como a que estamos vivendo agora. O golpe da República havia estourado, ele descobria que o ser negro no Brasil não ia mudar muito com essa mudança de governo, que ser bom não implicava em justiça… e ao mesmo tempo ele era a pessoa mais ambígua que já vi.

Ele claramente não era da elite. Inclusive a criticava ferozmente em toda oportunidade que podia. Aliás, criticar era o que mais fazia, criticava a política, o teatro, a sociedade, a literatura, o país, machismo, racismo… e a lista vai. Como cronista a maior parte de seus assuntos eram críticas a algo ou alguém. E, ao mesmo tempo, tentou 2 vezes entrar para a Academia Brasileira de Letras (sendo negado em todas elas, e ia tentar a terceira, antes de desistir), aí saía decepcionado, criticava horrores, o tempo passava e lá ia ele de novo.

Então ao mesmo tempo em que odiava a elite, queria fazer parte dela. Mesmo fazendo sucesso e sendo reconhecido por quem estava na cena ‘underground’ da literatura e afins, não se sentia (ou não queria) fazer parte daquilo (inclusive, no mesmo ano em que morreu, 1922, recebeu uma carta dizendo que estava sendo homenageado na Semana de Arte Moderna (aquela mesmo), achou meio ~tosco, porém agradeceu e tudo o mais, mesmo tendo achado que a revista (a Klaxon) que recebeu era inicialmente de automóveis. HAHA).

Ele teve uma vida escrota. Não sei se existem palavras melhores pra isso. Herdou a loucura do pai, tinha problemas com álcool, direto ia ficar internado no sanatório, pois ficava alucinando pelas ruas (inclusive escreveu Cemitério dos Vivos em uma dessas internações e, minha nossa, que título coerente), pegou essa desilusão de que teria espaço sendo bom, mas infelizmente nascera com a cor errada, e isso é imperdoável na sociedade da época (ainda hoje…). Ele fez um retrato maravilhoso da sociedade, tinha uma visão de futuro incrível e uma tristeza plena de quem vê além.

Lima era fantástico. Era tudo que sua invisibilidade atual não diz. A escrita dele é atual, é diferente de tudo. Escrevia maravilhosamente, era afiadíssimo nas suas análises da sociedade (que quanto mais eu leio, mais vejo semelhanças do período atual), lia horrores. Por mais que muitas revoltas dele sejam extremas demais ou vinculadas à revolta dele com tudo e todos por não ser aceito em nenhum lugar que queria (por exemplo, em várias crônicas onde ele execra Artur Azevedo e João do Rio, que me abismaram). Ele é muito mais que o Policarpo que li no ensino médio. Muito mais que o homem que sabia javanês. E a parte boa de estar sendo homenageado na FLIP é que um pouco dessa invisibilidade que passou na vida toda vai ter a chance de ser um pouco iluminada (até porque eu ainda não sei quem é Lima Barreto…).

E, como magnífica pessoa ambígua e complexa que é, ainda pretendo visitá-lo no xiquetérrimo cemitério em Botafogo, já que, pelo menos morto, conseguiu ser aceito onde queria.

 

Como aqueles plus lindezas de dicas de leitura, tem 2 volumes FANTÁSTICOS de crônicas de Lima publicados pela Editora Agir (que vai da esperança de um Lima novinho, até a desilusão dele adulto) e a coletânea de contos (também fantástica!) pela Cia das Letras. E também tem uma adaptação belezura d’O Homem que sabia javanês:

 

Fonte da foto usada na capa: Grupo Companhia das Letras.

Meta de Leitura 2017!

ano novo

E chegamos ao último dia útil do ANO! (Aleluia, irmãaaaosssss!) Criamos um conjunto de itens pra uma meta de leitura (razoável, HEHE) pra 2017!

Bem, como eu sei que muita coisa pode mudar nesse ano que vai entrar, pensei em colocar tudo em porcentagens mesmo, que aí, no final do ano faço um esquema bonitão pra verificar se cumpri tudo (sejamos realistas esperançosos, como dizia Suassuna…). Essa imagem aí em cima tem essa famigerada lista, livre pra quem quiser usar (achei ela bem democrática até, dá pra adaptar pro que der e sem muita pretensão… hehe)

  • Não vamos estabelecer uma meta, vamos atingir e dobrar a meta. > Ler pelo menos 80% da meta estabelecida.

Esse ano que passou me deixou com apenas 49 livros lidos da meta de leitura… (fora da meta creio que atingi o número 60…), então vamos colocar a meta de leitura de 70 livros no ano de 2017, pra gente poder superar essa meta e pensar “OHHHH, que maravilha!”

  • Mais de 20% da meta de livros com protagonista feminina.

Nem preciso dizer.

  • Mais de 20% da meta de livros nacionais.

Nem preciso dizer.²

  • Ler um autor desconhecido (entre numa livraria e arrisque!)

VAMBORA.

  • Comprar menos livros (todos sabemos que sua lista de leitura já está enorme, convenhamos…)

Sim. Terei de transformar meus livros em móveis em casa pra caber.

  • Parar de adicionar 500 livros na meta do skoob a cada mês (senão, essa tal meta nunca chegará aos 100% e você também sabe disso…)

Desculpa, mãe.

  • Ler um livro de um gênero que você não gosta (vai que você se surpreende…)

Aiai.

  • Presentear alguém com um livro que gostou (conhecimento se passa pra frente!)

E aproveitar e praticar o desapego, né… hehe

 

Aproveitando pra dizer que semana que vem sai a retrospectiva das melhores resenhas (e da maior decepção de 2016…) e desejar aquele MAROTO FELIZ ANO NOVO procêis! Se tudo der certo, vem muita novidade em 2017… hehe

2016 foi um ano mais lento e de muitas mudanças na vida, aqui no blog tentamos fazer aquele checklist (não continuou, claramente) e recebemos a lindona ajuda do Rafael com seus posts de resenhas Rapidinhas <3, teve o lançamento do Castelo de Cartas – Rei, teve muito livro que surpreendeu, muita decepção, foi um ano de muita coisa, em suma.

Então obrigada pela companhia e até 2017!

(no insta ainda vai ter postagem de fim de ano, fiquem espertos por lá ^^)

 

BÔNUS DE META DE LEITURA! (dica do RafaelVic)

Ler no mínimo UM livro dessa lista dos 100 melhores: LISTA AQUI

Castelo de Cartas – Rei CHEGOU!

E CHEGOU DA GRÁFICAAAA! O Castelo de Cartas – Rei finalmente chegou, todo belezinha, todo bonitão, todo com acabamento especial e preenchido da ajuda do pessoal do Catarse! <3

camila loricchio

E olha só que xuxu e bonitão que ficou o livro! 😀 Acabou de chegar da gráfica, e olha… quase comecei a reler ali mesmo. haha

camila loricchio

Ainda estou apaixonada por essas capas internas coloridas. HAHA

camila loricchio

A parte de trás! 😀

camila loricchio

E um exemplo do miolo com as ilustrações!

E o livro acabou de chegar (literalmente), aí não resisti e fui tirar as fotos pra mostrar aqui. HAHA

Queria agradecer de novo quem deu aquele help maroto no Catarse, e dizer que em breve já começo a enviar a livraiada toda e as recompensas! (Não vou mostrá-las aqui pra ter aquele gostinho de surpresa pra quem vai receber. hehe Mas depois mostro no Instagram!)

Enquanto escrevo esse post estou praticamente pulando de alegria, parece até mentira que finalmente deu pra terminar essa jornada toda. Foi tudo feito com um super carinho e espero que gostem de coração 🙂

Fiquei bem feliz que deu pra fazer tudo isso no terceiro, em comparação com as limitações e problemas dos dois primeiros, a realização do Castelo de Cartas Rei foi (e está sendo) super mágica!

E pra quem quiser comprar, ele vai ficar disponível no site da Coletivo Editorial em breve, os dois antigos da trilogia do Castelo de Cartas já dá pra comprar por lá ^^ (Nesse link aqui!)

OBRIGADA DE NOVO! <3