Botão Curtir e Compartilhar – Diários

facebook

Olá, olá, pessoas!

E hoje não vai ter resenha, vai ter Diários em formato de crônica mesmo, porque preciso tirar isso do peito.

Botão Curtir e Compartilhar

Às vezes eu fico espantada como é fácil curtir e compartilhar alguma coisa nesse mundo da internet. Um clique. Plim. Pronto. Disseminei a informação, disseminei conhecimento, mostrei ao mundo mágico dos entendedores anônimos o que penso sobre tudo e todos.

Plim.

Divulgo uma informação de um ser humano que considero horrível. Claro que só sei disso porque me disseram que ele era horrível, tantos compartilhamentos e curtidas assim não podem estar errados, podem? Na internet não existe mentira, não existe manipulação, não existe gente que compartilha sem ler! Quem diz que essas coisas existem só pode ser caluniador e difamador, que absurdo. Se nem na realidade em que vivemos, esse mundo ~físico, existem tais coisas, imaginem num mundo online? Nessas redes que conectam tantas pessoas! Jamais!

Plim.

Pessoas compartilham essa informação que divulguei sem ler loucamente. As notificações se empilham, nunca vi tantos números no meu perfil. Fico feliz pela informação ter sido disseminada, agora mais pessoas vão poder achar essa pessoa horrível. Claro que elas  também não leram, não foram atrás da informação, se nem eu fui… Tantos elogios pela cabeça aberta que tenho por apenas também achar aquela pessoa horrível. Que lindo. Que belo. O mundo está novamente equilibrado.

PLIM.

Fico sabendo por acidente que aquela informação que compartilhei é falsa. Aquela pessoa que disseram horrível não era tão horrível assim. Manipularam uma informação que ela forneceu para que parecesse horrível e casasse com as falhas morais e éticas que elas criticam (e que eu também concordo e critico). Eita. E agora? Vejo que a informação correta não é tão compartilhada assim, vejo que justamente por evitar uma polêmica, por não gerar mais conflito, as pessoas antes tão engajadas não se mostram mais tão engajadas assim. Que coisa estranha. Que mistério. Talvez gerações sejam necessárias para entender isso, não? Estudos complexos sociológicos para entender esse comportamento humano que apenas compartilha o conflito, o circo, enquanto come seu pãozinho de brinde (mas sem receber o encarte explicando a cena do circo que assiste, claro, se bem que… será que leria se o tivesse em mãos?)…

PLIM.

Mas o que será que aconteceu com a pessoa antes horrível? Será que ela apanhou na rua por ser horrível? Será que ela foi isolada socialmente por terem dito que ela era horrível? Será que ela não pode nem mais sair na rua? Será que ela entendeu o que aconteceu com ela ou foi surpreendida por entendedores anônimos que romperam a barreira da internet e a afrontaram pessoalmente (já que a conhecendo online, elas tem o direito de acessarem seu corpo, sua vida e fazerem justiça com as próprias mãos, óbvio)? Não sei. Não sei o que aconteceu com ela. Ninguém compartilha esse tipo de coisa… então não sei. Não fico sabendo.

Plim.

Olha, outra coisa interessante para compartilhar sobre uma pessoa horrível!

Espera.

Pesquisa.