E nesse 31 de Outubro temos O Jogo na Caixa de Sapatos! Com terror, pistolices, amigos e literatura nacional que te dá um calafrio maroto nesse hallowinesco dia do saci.

Sinopse: Felipe, André e Marcelo gostam de passar madrugadas lendo Creepypastas. Uma noite, os três resolveram ler só mais uma história antes de dormir e, quando Marcelo desaparece, seus amigos são os únicos que desconfiam do sobrenatural. (Sinopse do Skoob)

Eu realmente adoro ler coisa de gente conhecida. De verdade. Ver gente produzindo do seu lado dá aquele quentinho bom no coração. E bem, depois de começar a acompanhar o Multiverso X, e de conhecer o pessoal que fez o cast sobre HP, acabei conhecendo o jovem Rafael Peregrino, enrolei por motivos de vida, mas fui finalmente criar vergonha na cara e ler o livro dele. O Jogo na Caixa de Sapatos.

“- Isso, eles escutam um barulho no banheiro. Daí vão lá, na ponta dos pés, os trovões dando vários sustos neles. Eles chegam perto da porta, se entreolham e engolem seco. Daí…
– Como eles se entreolham se tá tudo escuro?”
O Jogo na Caixa de Sapatos, Rafael Peregrino

A única coisa que eu sabia sobre o livro era pela resenha do Airechu, não tinha visto mais nada, só sabia que teria terror, pokémons, e… uma caixa de sapatos (mas isso foi pelo título, admito). Eu gosto muito de livros de terror, então admito que estava com uma certa expectativa alta, ainda mais depois de ler um dos contos do autor.

“- Apavorados, tropeçam na escada e os caralhos. Aí quando chegam na porta do quarto…”

O Jogo na Caixa de Sapatos, Rafael Peregrino

Isso sim são amigos contando uma história pro outro.

Acho que o que mais gostei na escrita dele foi essa fluidez de diálogos, as pessoas falam exatamente como elas falariam na vida real. Descrevem as ideias, mandam os amigos se ferrar, brigam por pedaços de pizza… tem calafrios juntos ao jogar um jogo que obviamente não é pokémon…

Marcelo, Felipe e André são 3 amigos que você sente que já conhece faz tempo. São aqueles 3 guris da classe que sempre andam, comem, brigam, falam, brincam, passeiam juntos. Todos os personagens são verossímeis, inclusive o crescimento deles na trama.

“- E se ele tiver? Relaxa, Felipe, eu vou lá amanhã de manhã epego o cartucho com ele. Ninguém sequestra ninguém de manhã.”
O Jogo na Caixa de Sapatos, Rafael Peregrino

Embora Marcelo tenha falado várias vezes o que chamamos de as famosas últimas palavras.

Eu acabei lendo ele em uma sentada só, não consegui parar de ler. A parte de terror, os devaneios que só uma imaginação regada a muito filme e livro de terror podem fornecer, é muito bem escrita, e o cagaço é real do começo ao fim. É um livro sem aqueles tropes de “ah, é assim que vai acabar o livro, já to vendo”, então você fica surpreso no final quando as coisas acabam do jeito que acabam.

O que mais gostei nisso tudo foram os detalhes, são aquelas coisinhas que te incomodam em filmes de terror que são escancaradas, citadas com um grande “ué, mas isso não faz sentido, colega”, e isso é excelente.

Algumas partes acabam ficando meio confusas, são tantas falas seguidas que é difícil entender quem disse o quê em algumas partes, mas esse foi o único incômodo que senti lendo.

É o volume 1, então estarei aguardando ansiosamente pra ver que treta vai rolar a seguir.

Vocês podem sair dessa resenha direto pra comprar o livro dele, ajudar o autor xuxu e ainda ter calafrios nesse hallowinesco dia do saci!

O Jogo na Caixa de Sapatos (livro 1)
Autor: Rafael Peregrino
Editora: Independente
Páginas: 230
Link no Skoob

 

Bônus pra gente vestido de Halloween recomendando uns livro de calafrio no Instagram!