Com haicais desconstruídos, começando e “terminando” com a vida da autora independente Helen Coppi, conhecemos e damos uma arriscada nessa vida de 3 versos.

E TCHANÃ! Chegamos com uma poetisa BR e aqui da região do Vale do Paraíba ainda por cima. Lá em meados de Julho recebi pelo correio uma carta surpresa, e pasme, lá estava o livro da Helen Coppi, o Livro Perfeito dos Haicais Imperfeitos.

Receber cartas já é joia, agora receber cartas com livros de alguém que você conhece deixa o coração quentinho.

Agora vocês devem se perguntar “mas, Camila… você está sendo parcial nessa resenha por conta de ter recebido um livro por correio de uma amiga?” (não conheço a Helen pessoalmente, mas já posso considerá-la amiga sim, lide com isso). Jamais. Jamais, caros leitores. Aqui a gente é treta. Comenta tudo mesmo. Joga na mesa. Disseca o livro. Fala mal até da mãe.

Bem. A intenção da Helen era fazer um livro de haicais, mas sem ficar na fissura da métrica estruturada dos mesmos (embora eu considere bem mais simples focar nas sílabas quando se está escrevendo em japonês, quando cada sílaba pode ter vários significados), ficando a intenção de poemas curtos com significados tanto na diagramação quanto nas palavras.

É um livro artesanal, que tenta te passar os começos, meios e fins de nossa vida (embora admito que fiquei centrando os significados na vida da autora). Não me acho alguém com sensibilidade suficiente pra escrever poesia, mas ler? Ah… poesia é algo que você consegue definir se gosta ou não pelo jeito que te toca. Esses tempos atrás conheci a obra de Manoel de Barros e fiquei no chão. Descobri o meu tipo de poema, aquele que te leva pra dentro da pessoa que escreve, te serve um cházinho, manda uns leros e se tem rima, beleza, se não? Bem, beleza também, o chá estava ótimo.

Dá pra sentir algo assim no livro da Helen, é curto, fala sobre ela, sobre as relações da vida, mas não tem final, já que  “O ponto final, fez do fim um trampolim para o infinito…“. 🙂

O mais legal é que no fim, existe um espaço pra você começar seus haicais. Pra escrever no livro mesmo. Aí me arrisquei nos rabiscos (mas desculpem, sou aferrada à métrica. HAHA). Seguem as fotos:

foto do haicai "começo"

O Começo ficou assim:
“Queria haicar/
Mas haicais não sei fazer/
Melhor, então, ler.”

foto do 'meio' e 'fim'

O Meio e o Fim ficam juntinhos:
Meio:
“Às vezes sai bem,/
Meio trôpego e blá,/
Porém vai que vai.”
E o Fim:
“Só nessa, já 3./
Mesmo sem saber certo,/
Acho que haiquei.”

Bem, aí estão meus haicais! 😀

E fica a dica pro lançamento desse livro xuxu da Helen:

DIA 16 de setembro agora vai rolar em São José dos Campos a FLIM – Feira Litero Musical 2017! E às 13h30, no evento chamado Fora da Caixa, vai rolar o lançamento e um bate papo com a Helen Coppi e as escritoras Luana Helena (Poesia Visceral) e Lili Oliveira.

Vai rolar o estande da Litheratrupe também durante todo o evento, e o livro estará por lá. Quem já quiser reservar (limitadíssimo!) já aproveita pra comparecer ao evento e reservar com a autora. 🙂

O Livro Perfeito dos Haicais Imperfeitos
Autora: Helen Coppi
Editora: Independente
Páginas: 26
Blog da Autora