resenhas 2016

E TCHANÃN! Começando 2017 com a retrospectiva das melhores resenhas de 2016! (No caso os melhores livros de 2016 que foram resenhados…HUM.)

E nada mais certo que começar 2017 com a nossa meta em mente (já tem post com essa meta pra cumprir, AQUI Ó) e com uma retrospectiva para conferir quais foram os livros que mais me marcaram nesse ano controverso de altos e baixos que foi 2016…

Em uma lista dos antigos para os mais recentes, vamos às 10 resenhas que mais marcaram meu 2016 (para acessar as resenhas é só clicar no título!):

laranja-mecanica

Laranja Mecânica – OGS #121! – 2.fev

Foi um livro incrível. Para uma edição incrível. Só de ler a resenha antiga já bate aquela vontade de reler tudo (se controla, Camila) haha

E um livro super atual, ainda hoje, e cada vez mais necessário de ser lido. (Ainda preciso rever o filme! Mesmo que não tenha o bendito final do Alex e seus Druguis.)

 

valter hugo mãea máquina de fazer espanhóis – OGS #127 – 31.mar

eita livrinho difícil de ler. mais difícil ainda foi escrever tudo com letras minúsculas, contrariando todo meu instinto automático de digitar… esse livro foi tão denso para mim que só conseguia ler um capítulo por dia. ainda vou ler mais livros dele, mas preciso estar com o emocional em dia… hehe

kohske jbc

Gangsta – OGS #128 – 12.abr

E Gangsta foi uma agradabilíssima surpresa de 2016! Estava completamente decepcionada com uma de minhas assinaturas (no final do post, inclusive vou falar sobre ela), e Gangsta foi aquela luzinha no fim do túnel. O fato de ser escrito por uma mulher só adiciona haha

Em breve faço mais um post para dar a continuidade da opinião sobre os caminhos da história!

teatroCasa de Bonecas – OGS #134 – 12.jul

E 2016 foi o ano de começar a ler muito teatro! <3 Casa de Bonecas do Ibsen foi uma leitura bem chocante pela data em que foi escrita… e como bônus ainda li As Doutoras do França Júnior! Foi um combo pra refletir onde o feminismo estava no fim do século XIX e onde (ainda) estamos hoje…

 

nikolai gógolAvenida Niévski – OGS #135 – 19.jul

Mais um russo lido para ter vontade de pegar uma máquina do tempo e ir visitar a Rússia do século XIX! O jeito de Gógol escrever me encantou de tal forma que fui atrás das peças deles depois… E essa edição também é um escândalo de maravilhosa. hehe Me deixou com a mesma sensação que Primavera do Lutz.

 

ken keseyUm Estranho no ninho – OGS #140 – 4.out

Mais um livro que me ganhou pelo jeito diferente que o autor escrevia. Até hoje não assisti o filme, mas esse livro me marcou da mesma forma que os outros da lista, me dando uma ressaca literária violenta e me deixando numa bad enorme.

o-homem-que-caiu-na-terraO Homem que caiu na Terra – OGS #141 – 14.out

Eita, Walter Tevis… no ano de morte de David Bowie, li o livro que inspirou seu filme de estreia como ator…

E olha. Saí numa bad tremenda. HAHAHA É um livro que é tão humano, que te deixa numa tristeza absurda. E mesmo na bad, você é convencido de que foi uma leitura fantástica haha

 

richard mathesonEu Sou a Lenda – OGS #142 – 8.nov

2016: o ano das bads! Li vários livros que acabaram me dando uma ressaca literária violenta, como dá pra ver por essa lista já a caminho de se concluir… hahahah

Com eu sou a lenda não foi diferente. E ainda por cima me ajudou a não gostar ainda mais da adaptação com Will Smith… Que olha… que horror.

 

robert w chambersO Rei de Amarelo – OGS #143 – 13.dez

E acabei lendo esse classiquíssiimoooo d’O Rei de Amarelo, e agora vejo referências em tudo que leio. HAHAHHAHA Serviu para ficar com um aperto no coração por Chambers ter morrido sem escrever mais sobre sua mitologia e mundo Amarelos… E olha que essa edição que li não foi muito satisfatória em termos gráficos…

Campanha #voltadoreinoAmareloChambers!

 

radhanath swamiA Caminho de Casa – OGS #144 – 21.dez

E pra fechar essa listona, mais um livro que foi apaixonante. Tanto pelo jeito com que o autor escreve quanto pela vida que ele leva (e levou, porque é o retrato de um ano na vida de Radhanath Swami)… olha que não gosto de biografias. hahaha

Mas ficou uma vontade louca de sentar uns dez minutos só pra ouvir ele falar da vida dele e das experiências que passou, porque foi incrível ler tudo aquilo.

 

 

Bem, essa foi a retrospectiva dos livros mais marcantes de 2016! Agora vamos para a maior decepção de todas (porque nem tudo foram flores em 2016…. hahahaha):

ZETMAN.

editora jbc

Zetman foi a maior decepção que tive. Fui lá, li o primeiro, achei o plot ótimo. Pimba, assinei. Não preciso dizer que me arrependi quando fui recebendo os volumes e vendo que tudo era motivo para as mulheres serem estupradas no mangá. Nenhuma personagem feminina passou incólume pela perversão desse cara. Ainda hoje chegam os volumes em casa e me dá um asco profundo que nem tenho palavras para descrever. Aqui dá pra ler mais sobre minha decepção e os dados que coletei dos primeiros volumes.

 

 

E assim inauguramos os posts de 2017 e abrimos caminho para as leituras desse ano! Que menos decepções apareçam e mais livros incríveis abram novas oportunidades de leitura! 😀 Se tiverem dicas de livros que marcaram, deixem aí nos comentários! 🙂