teatro

E chega uma peça de teatro aqui no CdC! Casa de Bonecas do Henrik Ibsen foi uma leitura rápida e uma descoberta interessante de como era o mundo e as discussões no século dezenove…

Sinopse: No final do século XIX a crise das instituições e a moral burguesa entram em cena. Os personagens se livram das máscaras e vivem, solitários, sua verdade. Dessa forma Nora Helmer, a mulher-boneca, renuncia à confortável mentira e elege o risco de ser ela mesma. Precisa de uma nova identidade, de uma nova moral. Para viver, abandona marido e filhos, rompendo amarras, derrubando tabus. (Casa de Bonecas – Henrik Ibsen – Sinopse do Skoob)

E tchanãaan, como estou tendo de ler algumas peças clássicas agora, decidi trazer a resenha de uma que tanto me espantou dada sua data de escrita: 1879.

Casa de Bonecas foi escrita em 1878 e estreou em 79, e rolou muita censura devido à polêmica toda envolvendo a bendita peça. Ela vai tratar da história de Nora, uma mulher-boneca, que brinca com os filhos, é a esposa perfeita, linda, que cobra seus mimos de vez em quando, que ama incondicionalmente. Que não pensa e não tem lá muita personalidade.

Quando li a peça pela primeira honestamente achei Nora horrível. HAHA Toda essa coisa de infantilidade, ela nunca cresceu de verdade, as falas, os mimimis, as cantorias, foi tudo muito cansativo. E era pra ser mesmo. Ela era um bibelô.

Mas conforme a peça segue, ela vai começando a refletir sobre seu papel, desde a época em que era filha, até esse momento de esposa (onde apenas troca um homem por outro, o pai pelo marido), sua passividade, sua falta de personalidade, de crescimento, e lhe dá um estalo.

Essa outra Nora é completamente diferente. Ela toma a surpreendente decisão de largar a casa, dois filhos e marido para tentar se descobrir. Entender quem é no mundo e o que realmente quer. Imagine só uma mulher fazendo isso hoje, imagine uma mulher fazendo isso no século dezenove.

Pera. Isso em 1879??? Foi bem chocante ler algo tão emancipador vindo dessa época, ainda mais escrito por um homem. A intenção do Ibsen não era propositalmente feminista, mas acabou sendo utilizada amplamente por elas. A discussão sobre a falsidade na instituição do casamento, as decepções que Nora tem ao perceber quem é realmente Helmer e até que ponto ela realmente vale alguma coisa para ele, as hipocrisias da sociedade daquela época… é tanto tapa na cara que fiquei honestamente surpresa por 1: as discussões já remontarem desde àquela época e 2: a gente ainda estar discutindo tudo isso nos dias de hoje.

É uma peça curta, que foi encenada e adaptada infinitas vezes, incluso aqui no Brasil…

Aliás, outra peça que me chocou bastante foi As Doutoras de França Júnior, de 1887… O nível das discussões sobre o papel da mulher na sociedade, suas possibilidades, a falta de senso em uma mulher não poder votar, ocupar seu espaço, atuar profissionalmente… tudo isso era discutido amplamente nessa peça. Tudo bem que o final foi bem tacanho, mas só o fato de se discutir isso já me deixou bem assustada.

E me fez pensar em como, mais de 130 anos depois, a gente ainda está discutindo as mesmas coisas. Os mesmos detalhes. Por vezes querendo regredir em algumas questões… como pode? O que aconteceu nesse meio tempo? Por que demoramos tanto ainda?

Casa de Bonecas
Autores: Henrik Ibsen
Editora: Editora Abril
Páginas: 172
cinco estrelas

Ps.: Se quiserem ler o As Doutoras tem o link bonitão aqui, super recomendo a chocante leitura hahaha

Ps.²: Conversando com o Airechu descobri que um dos volumes de Sandman se chama A Casa de Bonecas por conta dessa peça do Ibsen 🙂 Gracias, moço!